Terremoto deixa rastro de destruição em ilha da Indonésia

Deutsche Welle
Tremor de magnitude 7, seguido de mais de cem réplicas, deixa mais de 90 mortos e 200 feridos em estado grave. Ao menos 3 mil casas ficam danificadas, e turistas se aglomeram em praia para abandonar ilha

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Ao menos 91 pessoas morreram e mais de 200 ficaram gravemente feridas após um terremoto de magnitude 7 na escala Richter atingir neste domingo (05/08) a ilha turística de Lombok, na Indonésia. Um alerta de tsunami chegou a ser emitido, mas foi logo cancelado.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O epicentro do novo tremor foi a 10 quilômetros de profundidade, informou o Centro Geológico dos Estados Unidos (USGS), e a noroeste de Lombok, longe dos principais pontos turísticos do sul e oeste da ilha.

Mais de cem réplicas foram registradas desde o tremor principal, ocorrido às 18h46 (horário local) de domingo. Ao menos 3 mil casas foram danificadas, há milhares de pessoas desabrigadas.

"Muitos eram imóveis construídos com materiais pouco sólidos", disse o porta-voz da agência indonésia de gestão de catástrofes, Sutopo Purwo Nugroho.

As famílias de vítimas do terremoto vão receber o equivalente a cerca de mil dólares do governo. Feridos terão uma compensação estatal de 172 dólares.

Novo terremoto de 6 graus na escala Richter atinge Oaxaca, no México

Reconstrução da Cidade do México após terremoto de 2017 ainda vai levar 6 anos, diz governo

Após discussão, garoto australiano foge com cartão dos pais para hotel de luxo em Bali

 

Reuters/Antara Foto/A. Subaidi

Turistas em meio ao cenário de destruição em Lombok

O terremoto deste domingo também provocou leves danos na cidade javanesa de Bandung, a 955 quilômetros de Mataram, maior município da ilha, mas foi sentido com mais força na vizinha Bali.

"Nós estávamos sentados jantando, quando tudo tremeu, as luzes de apagaram. Todo mundo saiu correndo", conta a turista australiana Kim Liebelt. "O teto começou a cair, havia pedras e destroços, a corrida era para fugir."

Vídeos mostraram pessoas correndo em pânico de um centro comercial em Lombok e também em Bali, onde o terremoto igualmente foi sentido. Com infraestruturas destruídas, há imagens de turistas e locais se aglomerando nas praias à espera de barcos. Há ainda áreas destruídas aonde os resgatistas não conseguiram chegar.

A Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB) reforçou nesta segunda-feira o pessoal enviado para a região afetada, que se soma às equipes que já estavam ali desde o terremoto que sacudiu a mesma ilha na semana passada.

"As equipes de resgate continuam removendo escombros. O trabalho foi dificultado pelas condições noturnas e pelo corte de comunicações. Espera-se que o balanço de vítimas aumente", disse a agência do governo BNPB em comunicado.

A maioria das mortes aconteceu devido ao desmoronamento de prédios, segundo a BNPB. Também há centenas de feridos que têm que ser atendidos na parte de fora dos hospitais por causa do mau estado em que ficaram os edifícios.

É o segundo terremoto em apenas uma semana a atingir a região. No dia 28 de julho, um tremor de magnitude 6,4, mas a uma profundidade menor, deixou 17 mortos e destruiu centenas de edifícios em de Lombok. O tremor também provocou deslizamentos de terra que pegaram de surpresa centenas alpinistas que estavam em montanhas da ilha.

JPS/rt/ots

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias