OEA abre procedimento para investigar caso Herzog

Investigação reforça a pressão pela Comissão da Verdade

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA) instaurou procedimento para investigar a omissão do Estado brasileiro em apurar as circunstâncias da morte do jornalista Vladimir Herzog, ocorrida em 1975, durante a ditadura militar, e punir eventuais culpados. 

A denúncia foi encaminhada à OEA, em 2009, pelo Centro pela Justiça e o Direito Internacional (CEJIL), pela Fundação Interamericana de Defesa dos Direitos Humanos (FIDDH), pelo Grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo, e pelo Centro Santo Dias de Direitos Humanos da Arquidiocese de São Paulo.

O governo brasileiro foi notificado na terça (27), e terá dois meses para fazer sua defesa. Caso ela não seja considerada suficiente, a CIDH poderá remeter o caso à Corte Interamericana da OEA que, no final de 2010, já condenou o Brasil pela não investigação e punição dos crimes cometidos por militares durante a Guerrilha do Araguaia, ocorridos no mesmo período. 

As organizações peticionárias da denúncia acreditam que a abertura da investigação reforça a postura da OEA de exigir que o Brasil investigue e puna os responsáveis pelos crimes cometidos durante a ditadura militar que governou o país de 1964 a 1984, como vem sendo feito em vizinhos sul-americanos como Argentina, que já condenou mais de 800 militares, e o Uruguai, que revogou sua Lei da Anistia.

Em nota, as entidades avaliam que “a notificação é uma clara mensagem da Comissão Interamericana ao Supremo Tribunal Federal (STF) de que novos casos sobre a dívida histórica seguirão sendo analisados pelos órgãos do sistema interamericano -- Comissão e Corte Interamericanas de Direitos Humanos – na expectativa de que o Poder Judiciário se antecipe e cumpra a atribuição que lhe compete de fazer o controle de convencionalidade, adequando as decisões judiciais internas à Convenção Americana sobre Direitos Humanos, e consequentemente realize a justiça conforme as obrigações internacionais que o Estado brasileiro se comprometeu de boa-fé”.

Em 2010, o STF reafirmou a validade da Lei da Anistia, que perdoa os crimes cometidos por militares no período mais duro da Ditadura Militar, entre 1964 e 1979. A decisão desagradou militantes dos direitos humanos, ex-presos políticos, torturados e familiares dos desaparecidos, que seguem lutando por justiça. 

O Ministério Público Federal, na tentativa de atender às determinações da OEA, também têm buscado novas interpretações jurídicas para tentar penalizar os agentes da ditadura que cometeram violações contra os direitos humanos. No início deste mês, denunciou o coronel da reserva do Exército Sebastião Curió Rodrigues por crime de sequestro permanente de cinco guerrilheiros desaparecidos no Araguaia. A justiça de 1ª instância não acatou a denúncia, mas o MPF recorreu. 

Porém , ao contrário da justiça brasileira, a jurisprudência da Corte Interamericana não corrobora com nenhum crime contra os direitos humanos: “são inadmissíveis as disposições de anistia, as disposições de prescrição e o estabelecimento de excludentes de responsabilidade, que pretendam impedir a investigação e punição dos responsáveis por graves violações dos direitos humanos, como a tortura, as execuções sumárias, extrajudiciais ou arbitrárias, e os desaparecimentos forçados”.

Vlado
Vladimir Herzog era jornalista, escritor e dramaturgo e se tornou um dos maiores símbolos da luta brasileira por democracia e direitos humanos. Militante reconhecido do Partido Comunista do Brasil, ele foi convidado para prestar depoimento na sede do DOI-CODI de São Paulo, de onde nunca mais saiu. O Inquérito Militar instaurado na época concluiu que a causa da morte foi suicídio.

Sua família, entretanto, sustenta que ele foi executado, após intensa sessão de tortura. Em 1976, ainda durante a ditadura, propôs ação civil declaratória, que desconstruiu a versão oficial. Em 1992, o MPF requisitou abertura de inquérito policial para apurar as circunstâncias da morte do jornalista, mas o pedido foi negado, com base da vigência da Lei da Anistia. Em 2008, o caso foi reaberto e, na sequência, novamente arquivado sob o argumento de que os crimes teriam prescrito.

Publicado originalmente no site Carta Maior

 

Assine a revista Samuel. Apoie a imprensa independente.

UnB se prepara para instalar sua Comissão da Verdade

Dilma anuncia nomes para a Comissão da Verdade

Comissão Parlamentar da Verdade convocará ex-agentes da ditadura

 
Licença CreativeCommons: Atribuição CC BY

Leia Mais


Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias