O papel da mídia na cobertura de Belo Monte

“Nós jornalistas não estamos sendo capazes de entender Belo Monte”, diz Leonardo Sakamoto

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Foto por André Solnik, responsável pelo belo projeto Aos Montes, que pretende estimular o debate sobre a construção da usina hidrelétrica

 

A construção da Usina de Belo Monte é discutida há mais de 20 anos no Brasil, representando um dos maiores debates públicos da história do país. A imprensa nacional e também a internacional não deixam de noticiar as guerras travadas entre os defensores e os ambientalistas contrários à construção. Mas por que Belo Monte desperta tanto interesse midiático?
 
Em menos de um mês, 1 milhão de assinaturas foram recolhidas exigindo a parada imediata das obras em Belo Monte. O vídeo Gota d’Água, estrelado por atores globais que pediam um debate público sobre o assunto, gerou uma verdadeira guerra de vídeos na internet.
 
Verena Glass, jornalista do Movimento Xingu Vivo para Sempre e da ONG Repórter Brasil, explica que o caso “mexe” com temas muito delicados e que geralmente ganham muita comoção. “Mexe com a valorização de direitos humanos, Amazônia e indígenas. Esses assuntos geram muito interesse da opinião pública, da sociedade civil e de todo indivíduo”, enfatiza.
 
Segundo Verena, a proporção da mobilização nacional em torno de Belo Monte indicará quais serão as ações futuras do governo em relação a grandes obras. “É um fenômeno muito importante porque é um evento de mídia, e dependendo do trabalho que der vão repensar outras construções.”
 
Para a jornalista, as matérias produzidas pela mídia tradicional são “pequenas e superficiais”. Ela argumenta ainda que o debate internacional, às vezes, é mais profundo do que o feito no país. A resistência à obra, inclusive, ganhou militantes estrangeiros. Já em 1989, o cantor britânico Sting chamava a atenção do mundo para a questão da construção da usina hidrelétrica. Na ocasião, ele fez varias mobilizações ao lado do líder caiapó Raoni. Passados alguns anos, foi a vez de James Camerom, diretor do filme Avatar, abraçar a causa. O diretor participou de manifestos e levou a pauta ao presidente americano Barack Obama causando uma nova onda de interesse internacional. “Existe pouca informação e muita paixão em relação à Belo Monte”, comenta Verena.
 
Na opinião de Leonardo Sakamoto, diretor da ONG Repórter Brasil e professor da PUC-SP, o debate deve ser levado a outro patamar. “Nós jornalistas não estamos sendo capazes de entender Belo Monte”, explica ele, referindo-se ao cuidado que o jornalista deve ter para evitar reproduções e representações equivocadas da questão. “É importante pensar alternativas para as pessoas que estão lá e trazer esse debate para a mídia”. Para ele, “não se tem uma visão real da Amazônia”. “O que deve ser discutido é que você pode ter qualidade de vida sem mudar seu modo de vida”, defende. “Belo Monte é um esquadro, um gabarito, dependendo do que acontece lá, o governo vai decidir se vale a pena ou não outras construções”, finaliza.
 
Para o professor do IEE/USP (Instituto de Eletrônica e Energia) Célio Bermann, é importante continuar o debate sobre Belo Monte. Crítico ao projeto, ele defende que a usina não é sustentável, tanto pelos impactos causados, como pelo custo: “A construção está orçada em 30 bilhões de reais. Belo Monte nunca vai se pagar”. Ele afirma que a capacidade energética da usina será de 11 mil MW, no entanto, “só estará disponível durante três ou quatro meses”. “Tem alguma coisa errada nesse projeto sustentável”, conclui. 
 
Xingu+23
 
O tema mídia e Belo Monte foi debatido por Sakamoto, Verena e Bermann na quinta, 24, na Faculdade de História da Universidade de São Paulo (USP), no Seminário “Xingu+23: Encontro dos Povos da Amazônia, em defesa dos rios, das florestas e da vida”. O evento é uma etapa preparatória do Xingu+23, que será realizado paralelamente à Conferência Rio+20, de 13 a 20 de junho, no município de Vitória do Xingu (PA). Situado às margens da Transamazônica, a menos de 100 metros dos canteiros de obras da hidrelétrica de Belo Monte (e a cerca de 50 km de Altamira). O evento remete ao 1º Encontro dos Povos Indígenas do Xingu, realizado há 23 anos, em 1989. 
 
-
 
Publicado originalmente no site da Revista Fórum
 
-
 
Queremos conhecer melhor os nossos internautas. Pedimos um minutinho da sua atenção: responda ao nosso questionário!
 

 

Mais um escrachado no Rio de Janeiro

 
Licença CreativeCommons: Atribuição CC BY

Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias