Carl Hart: 'Disseram que, quando cheguei, um segurança do hotel iria me abordar, mas não testemunhei isso'

Em entrevista ao site Fluxo, cientista norte-americano disse que foi informado do episódio, mas que não foi barrado ao chegar

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Atualizada em 30.ago.2015, às 10h46

Em entrevista a Bruno Torturra, do site Fluxo, Carl Hart, o neurocientista e professor da Universidade de Columbia, afirmou que não vivenciou, diretamente, qualquer abordagem por parte de seguranças do hotel Tivoli-Mofarrej, em que se hospedou e participou de um seminário promovido pelo IBCCrim (Instituto Brasileiro de Ciências Criminais), como foi publicado pelo site Justificando e reproduzido por Samuel.

Segundo Hart, ele teria sido informado pelos organizadores, ao sair do banheiro [para onde se dirigiu inicialmente], de que um segurança do hotel iria abordá-lo. Os organizadores pediram, então, desculpas ao professor pelo fato.

"Quando saí [do banheiro], os organizadores da conferência vieram pedir desculpas pelo ocorrido. Afirmaram, quando cheguei, que um segurança do hotel iria me abordar por não pertencer àquele ambiente, mas eu não testemunhei nada disso que me disseram."

Hart diz também na entrevista que não foi barrado e que sua fala no seminário não tinha relação com o suposto fato. Para ele, a notícia do episódio conduzia a conclusões erradas.

Na entrevista a Torturra, reproduzida abaixo (em inglês, sem legendas), Hart diz que não ele não precisa de solidariedade, mas, sim, a população negra brasileira, que é discriminada cotidianamente. Ele diz também que o episódio mostra que, de alguma forma, ele não é mais tratado como um homem negro comum, porque, se fosse, ninguém se preocuparia se ele tivesse sido barrado ou não.

Hart deu explicação semelhante ao site Justificando, autor da notícia original. Segundo ele, as pessoas que viram o fato acontecer se sentiram ultrajadas, embora ele próprio tenha considerado um incidente menor. Veja o vídeo, com legendas:

Carl Hart - Incidente no Hotel

Durante a manhã tivemos a oportunidade de receber em nossos estúdios o neurocientista Dr.Carl Hart; além de falar sobre seu trabalho, Carl deu suas primeiras declarações em vídeo sobre o episódio onde teria sido barrado ao entrar em um hotel de São Paulo. “Esse foi um incidente relativamente pequeno quando eu penso no que acontece nessa sociedade todos os dias”, declarou, endossando a matéria divulgada pelo Justificando - inclusive ao compartilhá-la em sua conta de Twitter (o link foi deletado por volta das 18h de hoje). Devido aos últimos acontecimentos, e de toda a repercussão que o caso atingiu, nossa postura se mantém: buscamos esclarecer os fatos e sempre apurá-los de maneira firme e livre de qualquer interesse, entregando ao público um trabalho do qual nos orgulhamos. Nossa reflexão é: importa mais o tamanho do incidente ou o modo como nossa sociedade sempre consegue minimizar a opressão?

Posted by Justificando on Sábado, 29 de agosto de 2015

 

O hotel também divulgou nota neste sábado negando ter barrado o hóspede. Leia abaixo:

O Tivoli São Paulo - Mofarrej tem como objetivo e hábito receber hóspedes e clientes de diversos países e em variadas ocasiões. O hotel afirma que seus funcionários recebem treinamento constante para manter o alto padrão de serviço, para bem atender seus clientes garantindo qualidade, segurança e discrição.

O Tivoli São Paulo - Mofarrej proíbe a discriminação em virtude de raça, sexo, cor, idade, religião, orientação sexual ou quaisquer outras formas de discriminação.

Como política o hotel não barra seus clientes, visto que possui diversos pontos de venda e espaços de evento, mas constantemente aborda todos os frequentadores para direcioná-los corretamente aos seus destinos.

O hotel reforça que é absolutamente contra qualquer forma de discriminação.

EUA: Panfleto mostra policial vestido de membro da KKK apontando arma para jovem negro

Jovens, negros e europeus: webséries abordam vivências de filhos da diáspora africana na Europa

Amelia Boynton, ativista negra de Selma, morre aos 104 anos, nos EUA

 

Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias