Jornais definem agressões da PM contra alunos de escolas ocupadas em São Paulo como 'confusão'

Lógica de guerra e violência é atenuada por certos títulos e textos; seria um jornalismo impreciso, se não fosse um jornalismo com compromissos políticos; estudantes protestam contra fechamento de 93 escolas em todo o estado

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O vídeo abaixo mostra a consagração da palavra “confusão” nas chamadas para os filmes da Sessão da Tarde, na Globo. A falta de imaginação do redator acaba nos fazendo rir. O problema maior é quando o jornalismo brasileiro revive o clichê para atenuar um confronto político – ou simplesmente agressões praticadas por policiais militares.

Notícia do G1, na noite de terça-feira (01): “Protesto de estudantes em São Paulo termina em confusão“.

Título no UOL, também na noite de ontem: “Após confusão, quatro são detidos em protesto contra reorganização“.

E o que dizer desta chamada na Folha de S. Paulo, nesta quarta de manhã? “Alunos e PM entram em confusão em protesto na avenida Doutor Arnaldo“. Sim, vocês leram direito. Alunos e PM “entram em confusão”. (Tinha uma confusão por ali, os PMs e alunos estavam passando, olharam uns para os outros e disseram: “Vamos entrar nessa confusão?”)

Captura de tela

Ou seja, perde-se o bom senso e até o compromisso com a gramática para se colocar panos quentes numa sequência de agressões policiais a estudantes secundaristas. Estes protestam contra o fechamento (a tal “reorganização”) de 93 escolas em todo o estado de São Paulo. Como se tratasse de uma desavença entre iguais. Ou uma briga na saída da escola.

Tragédia em Mariana: nas minas gerais, resta saber quantos morreram para fazer minério de ferro virar fortuna para poucos

No Brasil, homicídios de mulheres negras aumentam 54% em 10 anos, mostra estudo da Flacso

Sem meta específica na Agenda de Desenvolvimento Sustentável, indígenas estão em situação de vulnerabilidade, dizem especialistas

 

PMs prenderam dois alunos menores de idade que protestavam na Avenida Doutor Arnaldo, no centro de São Paulo| Imagem: Reprodução Facebook

Quando se trata de uma investida policial (uma investida política) crescente nos últimos dias, logo após o coletivo Jornalistas Livres vazar uma conversa entre burocratas da Secretaria de Educação que falavam em “guerra” contra os estudantes. Em meio a uma curiosa decisão do governador Geraldo Alckmin de não voltar atrás em uma trapalhada eleitoral histórica.

Os ordenadores de confusão

Um dos problemas cruciais do jornalismo brasileiro é o empedernido compromisso partidário, nas páginas de política, conjugado com a profunda despolitização nas páginas que o jornal não considera de política — e encaixota em cadernos com o nome de “Cotidiano”, “Metrópole”, “Geral”. Sabemos que despolitizados também fazem política — ainda que esta tenha sido definida antes, por outros seres pensantes.

Não que os jornalões sejam apenas simpáticos à perpetuação do PSDB no governo paulista. Até são. Antes disso, têm o compromisso de perpetuar determinada noção de “ordem”, em nome da qual deveríamos aceitar todo tipo de ação policial – mesmo que ao arrepio de diversas leis. Como se tivessem um comentarista de arbitragem – ou de polícia – sempre pronto a defender o juiz. “Pode isso, Arnaldo?” E ele responde: “Pode. Foi apenas uma confusão”.

Texto publicado originalmente pelo site Outras Palavras


Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias